Corporate governance index and its relationship to market value

Naiara Leite dos Santos Sant'Ana, Paulo Celso Pires Sant'Ana

Resumo


RESUMO

1)    Objetivo do estudo: Construir um índice de governança corporativa com as companhias do Ibovespa de 2010 a 2017. Buscou-se, também, analisar a relação entre o índice construído e o desempenho financeiro.

2)    Metodologia/abordagem: o índice foi construído através do método de componentes principais por meio das dimensões: composição do conselho de administração, estrutura de propriedade e controle, compensação aos gestores, proteção dos acionistas minoritários, transparência e qualidade da auditoria independente. Foi analisada a relação entre índice de governança corporativa e o valor de mercado das companhias através da causalidade de Granger.

3)    Originalidade/Relevância: Criação de um índice relevante, uma vez que as companhias estão cada vez mais complexas e tecnológicas, além de os usuários da informação contábil estarem mais exigentes e da crescente utilização da essência sobre a forma, o que exige ainda mais da competência do auditor e da adoção de práticas de gestão mais eficientes.  

4)    Principais resultados: a qualidade da auditoria é a dimensão com mais relevância para as melhores práticas de governança corporativa, com 30,87%, seguida por proteção aos acionistas minoritários, com 20,33%; compensação aos gestores, 16,65%; estrutura de propriedade e controle, 13,99%; composição do conselho de administração, 10,15% e, por último, transparência, 8,01%. A governança corporativa tem efeito sobre o desempenho financeiro.

5)    Contribuições teóricas/metodológicas: o artigo contribui com a percepção da qualidade da auditoria como um importante aspecto dentre as boas práticas de governança corporative e por meio da construção de um índice que relaciona as melhores práticas com o valor de Mercado.


Palavras-chave


Índice de Governança Corporativa; Qualidade da Auditoria; Valor de Mercado; Método de Componentes Principais

Texto completo:

PDF

Referências


Ahmed, K., & Henry, D. (2012). Accounting conservatism and voluntary corporate governance mechanisms by Australian firms. Accounting & Finance, 52.

Alexander, C. (2009). Market Risk Analysis, Value at Risk Models. John Wiley & Sons.

Alexandre, N. O., & Lopes Junior, E. P. (2018). Análise da relação entre níveis diferenciados de governança corporativa e inconformidades dos relatórios dos auditores independentes. RACEF – Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace. 9(1), 64-77.

Aljifri, K., & Moustafa, M. (2007). The Impact of Corporate Governance Mechanisms on the Performance of UAE Firms: An Empirical Analysis. Journal of Economic and Administrative Sciences, 23(2), 71-93.

Almeida, J. E. F. de, & Almeida, J. C. G. (2009). Auditoria e Earnings Management – Estudo Empírico nas Empresas Abertas Auditadas pelas Big Four e Non Big Four. Revista Contabilidade e Finanças. USP, São Paulo, 20(50), 52-74.

Akerlof, G. A. (1970). The Market for "Lemons": Quality Uncertainty and the Market Mechanism. The Quarterly Journal of Economics. 84(3), 488-500.

Baioco, V. G., & Almeida, J. (2017). Efeitos do comitê de auditoria e do conselho fiscal na qualidade da informação contábil no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças-USP, 28(74), 229-248.

Baxter, P., & Cotter, J. (2009). Audit committee and earnings quality. Accounting and Finance, 49(2), 267-290.

Becker, C. L., DeFond, M. L., Jiambalvo, J., & Subramanyam, K. R. (1998). The effect of audit quality on earnings management. Contemporary accounting research.

Bedard, J. C., & Johnstone, K. M. (2004). Earnings manipulation risk, corporate governance risk, and auditors' planning and pricing decisions. The Accounting Review, 79(2), 277-304.

Benites, L. L. L., & Polo, E. F. (2013). A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: Governança Corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, 6, Edição Especial, 195-210, mai.

Bernhoeft, R., & Gallo, M. (2003). Governança na empresa familiar. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bhattacharya, S. (1979). An exploration of non dissipative dividend-signaling structures. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 14, 667-668.

Bird, R. B., & Smith, E. A. (2005). Signaling theory, strategic interaction, and symbolic capital. Current Anthropology, 46: 221-248.

Brigham, E. F., Gapenski, L. C., & Ehrhardt, Michael C. (2001). Administração financeira: teoria e prática. Tradução Alexandre Loureiro Guimarães Alcântara e José Nicolas Albuja Salazar. São Paulo: Atlas.

Bris, A., Brisley, N., & Cabolis, C. (2008). Adopting better corporate governance: Evidence from cross-border mergers. Journal of Corporate Finance, 14(3), p. 224-240.

Brown, L. D., & Caylor, M. L. (2006). Corporate governance and firm performance. Journal of Accounting and Public Policy. 25(4).

Bushman, R., & Smith, A. (2001). Financial Accounting Information and Corporate Governance. Journal of Accounting and Economics. 32, 237-333.

Cerda, A. C. (2000). Tender Offers, Takeovers and Corporate Governance. São Paulo: The Latin America Corporate Governance Roundtable.

Chung, K., & Pruitt, S. (1994). A simple approximation of Tobin’s Q. Financial Management, 23(3), 70-74.

Chung, H. H., & Wynn, J. P. (2014). Corporate governance, directors' and officers' insurance premiums and audit fees. Managerial Auditing Journal, 29(2), 173-195.

Connelly, B. L., Certo, S. T., Ireland, R. D., & Reutzel, C. R. (2011). Signaling theory: A review and assessment. Journal of Management, 37(1), 39–67.

Coombes, P., Wong, Chiu-Yin. (2004). Chairman and CEO: one job or twoThe Mckinsey Quartely, n. 02.

Dang, L. (2004) Assessing actual audit quality (Thesis Ph.D). Drexel University, Philadelphia, Pennsylvania, USA.

Dantas, J. A., & Medeiros, O. R. (2015). Determinantes de Qualidade da Auditoria Independente em Bancos. Revista Contabilidade & Finanças, 26(67), 43-56.

Dechow, P. M., & Schrand, C. M. (2004). Earnings quality. Research Foundation of CFA Institute, p. 1–160.

Dye, Ronald. (1985). Disclosure of non proprietary information. Journal of Accounting Research, 23(1), 123-145.

Erkens, D., Hung, M., & Matos, P. P. (2009). Corporate governance in the 2007-2008 financial crisis: evidence from financial institutions worldwide. ECGI -Finance Working Paper n. 249, CELS 4th Annual Conference on Empirical Legal Studies Paper.

Fan, J. P. H., &Wong, T. J. (2005). Do external auditors perform a corporate governance role in emerging markets? Evidence from East Asia. Journal of Accounting Research, 43(1), 35–72.

Ferreira, R. N. (2012). Governança corporativa e desempenho: uma análise em empresas brasileiras de capital aberto (Tese de Doutorado em Administração). Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil.

Granger, C. W. J. (1969). Investigating Causal Relations by Econometric Models and Cross-spectral Methods. Econometrica, 37(3), 424-438.

Greene, W. H. (2003). Econometric analysis, 5th. Ed. Upper Saddle River, NJ, p.89-140.

Hall, B. J., & Liebman, J. B. (1998). Are CEOs really paid like bureaucrats? Quartely Journal of Economics. 103(3), 653-691.

Healy, P. M., & Wahlen, J. M. (1999). A review of the earnings management literature and its implications for standard setting. Accounting horizons, 13(4), 365-383.

Hogan, C. E., & Wilkins, M. S. (2008). Evidence on the Audit Risk Model: Do Auditors Increase Audit Fees in the Presence of Internal Control Deficiencies? Contemporary Accounting Research, 25(1), 219-242.

Hung, Yu-Shun, & Cheng, Yu-Chen. (2018). The impact of information complexity on audit failures from corporate fraud: Individual auditor level analysis. Asia Pacific Management Review.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. (5a ed.). São Paulo: IBGC.

Iudícibus, S., Martins, E., & Carvalho, L. N. (2005). Contabilidade: aspectos relevantes da epopeia de sua evolução. Revista Contabilidade e Finanças, São Paulo , 16(38), 7-19, Aug.

Jensen, M.C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4).

Kerr, R. B. Mercado financeiro e de capitais. (2011). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Khalil, S., Mansi, S., Mazboudi, M., & Zhang, A. J. (2019). Information asymmetry and the wealth appropriation effect in the bond market: Evidence from late disclosures. Journal of Business Research, 95, 49-61.

Krauter, E. (2013). Remuneração de Executivos e Desempenho Financeiro: Um Estudo com Empresas Brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 7(3).

La Porta, R., Lopez-de-Silanes, F., Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1998). Law and finance. Journal of Political Economy. 106(6), 1113-1155.

Ladeira, D. L. (2009). Teoria dos Stakeholders no contexto da Governança Corporativa: um estudo de caso (Dissertação de Mestrado). FUMEC, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Lang, M. H., & Lundholm, R. J. (2000). Voluntary Disclosure and Equity Offerings: Reducing Information Asymmetry or Hyping the Stock? Contemporary Accounting Research, 17(4), 623–662.

Leal, R. P. C., Silva, A. L. C., & Valadares, S. M. (2002). Estrutura de controle das companhias brasileiras de capital aberto. Revista de Administração Contemporânea, 6(1), 7-18.

Lei n. 13.303, de 30/06/16. Diário Oficial. República Federativa do Brasil: Poder Executivo. Brasília, DF, 2016.

Lei n. 10.303, de 31/10/01. Diário Oficial. República Federativa do Brasil: Poder Executivo. Brasília, DF, 2001.

Leuz, C., Nanda, D., & Wysocki, P. D. (2002). Earnings Management and Investor Protection: An International Comparison. Journal of Financial Economics.

Love, I. (2011). Corporate governance and performance around the world: what we know and what we don’t. The World Bank Research Observer, 26(1).

Lopes, A. B. (2008). The relation between firm-specific corporate governance, cross-listing and the informativeness of accounting numbers in Brazil. Manchester. Thesis (Doctor of Philosophy Degree in the Faculty of Humanities) – Manchester Business School, University of Manchester.

Malacrida, M. J. C., & Yamamoto, M. M. (2006). Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Finança e Contabilidade, São Paulo, 17(spe), 65-79.

Marques, M. C., Conde, M. F. (2000). Teoria da sinalização e da agência. Orog Revisores & Empresas, jul/set, 39-45.

Matos, J. A. (2001). Theoretical Foundations of Corporate Finance. Princeton University Press. First Edition, Princeton.

Minadeo, R. (2019). Visão Geral sobre Governança Corporativa e Análises de Situações Empresariais Críticas à luz de seus Eixos Centrais. Revista Organizações em Contexto, 15(29), 39-67.

Mingoti, S.A. (2007). Análise de dados através de métodos de estatística multivariada – uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora: UFMG.

Munsif, V., Raghunandan, K., Rama, D. V., & Singhvi, M. (2011). Audit fees after remediation of internal control weaknesses. Accounting Horizons, 25(1).

Myers, S. C., & Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investiment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, Amsterdam: North Holland, 13, Jul.

Okimura, R. T. (2003). Estrutura de propriedade, governança corporativa, valor e desempenho das empresas no Brasil (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Peixoto, F. M. (2012). Governança Corporativa, Desempenho, Valor e Risco: Estudo das Mudanças em Momentos de Crise. (Tese Doutorado em Administração) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Ross, S. A. (1973). The economic theory of agency: The principal's problem. The American Economic Review, 63(2), 134-139.

Sabbatini, J. F. (2010). Comunicação organizacional e Governança Corporativa: uma intersecção possível? (Tese de Doutorado em Comunicação). USP, Escola de Comunicação e Artes, São Paulo, SP, Brasil.

Schipper, K. (1989). Commentary on earnings management. Accounting Horizons. Sarasota, 3, 91-102, dec.

Securato, J. C. (2003). Governança corporativa e fatores de referência gerencial (Monografia de MBA). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silva, C. C. S. & Martins, O. S. (2018). Reflexo da Qualidade de Governança Corporativa no Processo de Avaliação de Empresas. Gestão & Regionalidade. 34(102). Set-Dez.

Silva, J.P., Bonfim, M. P., Gonçalves, R. S., & Ninyama, K. J. (2018). Qualidade do lucro versus governança corporativa: uma análise das companhias de utilidade pública listadas na b3. Contabilidade Vista & Revista, 29(1), 48-76.

Silveira, A. (2005). Governança Corporativa no Brasil e no Mundo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

Sloan, R. (2001). Financial accounting and corporate governance: a discussion. Journal of Accounting and Economics, 32, 335- 347.

Souza, M. A., Zanella, F. C., & Nascimento, A. M. (2005). Utilização do custo-meta por empresas brasileiras como estratégia de gestão: alguns estudos setoriais utilizando o método da causalidade de Granger. Revista Contabilidade & Finanças, 16(39), 33-46.

Spence, A. Michael. (1973). Job market signaling. The Quarterly Journal of Economics, 83(3), 355-374.

Srour, R. H. (2008). Ética empresarial. (3ª ed.). São Paulo: Atlas, 276 p.

Tinoco, J. E. P., Escuder, S. A. L., & Yoshitake, M. (2011). O Conselho Fiscal e a Governança Corporativa: Transparência e Gestão de Conflitos. ISSN 1807-1821, UFSC, Florianópolis: Revista Contemporânea de Contabilidade, 8(16), p. 175-202, jul./dez.,

Toigo, L. A., Hien, N., & Kroenke, A. (2018). Características predominantes de governança corporativa e desempenho pós-fusões e aquisições no Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil. 37(4).

Vieira, K. M., Velasquez, M. D., Losekann, V. L., & Ceretta, P. S. (2011). A influência da governança corporativa no desempenho e na estrutura de capital das empresas listadas na Bovespa. Revista Universo Contábil, 7(1), 46-67.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1983). Agency problems, auditing, and the theory of the firm: Some evidence. The Journal of Law and Economics, 26(3), 613-633.

Weston, J. F. (1969). Finanças de Empresas (Campo e Metodologia). São Paulo: Atlas.

Wild, J. (1996). The audit committee and earnings quality. Journal of Accounting, Auditing & Finance, 11(2), 247-276.

Wong, S. C. Y. (2009). Uses and Limits of Conventional Corporate Governance Instruments: Analysis and Guidance for Reform (Integrated version). Private Sector Opinion, Global Corporate Governance Forum.




DOI: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2021.v21i4.2187

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Revista Gestão & Tecnologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.