Inteligência artificial na formalização de contratos - análise do impacto em uma instituição financeira brasileira de médio porte

Carlos Cunha, Heber Silveira

Resumo


RESUMO

Objetivo do estudo: Descrever impactos potenciais da aplicação de IA na formalização de contratos, apresentando o caso concreto dos contratos de financiamento em uma instituição financeira de médio porte.

 

Metodologia/abordagem: Abordagem descritiva e documental do modelo tradicional de formalização de contratos na instituição, comparando-o com o modelo praticado atualmente (“modelo híbrido”), que utiliza elementos de IA de forma embrionária. Por fim, analisaremos os ganhos potenciais do emprego ampliado da IA.

 

Originalidade/Relevância: Relato Técnico com descrição detalhada do processo de automação de contratos. Esse tipo de estudo ainda não foi extensamente explorado no Brasil, e os trabalhos mais comumente observados advém da área de Direito. Não identificamos, no Brasil, trabalhos com foco nos impactos financeiros e organizacionais da aplicação de IA a um processo específico, assim como nas adaptações necessárias aos processos para aplicação parcial ou total da IA.

 

Principais resultados: O “modelo híbrido” reduziu o prazo de formalização de 5 para 0 dias úteis, com redução de 19% nos custos. Esses ganhos ainda são pequenos se comparados aos ganhos potenciais do emprego ampliado da IA. A implementação de um modelo com utilização total de IA poderia, segundo nossas previsões, reduzir o custo total da formalização de contratos a 12% do dispêndio do modelo tradicional.

 

Contribuições teóricas/metodológicas: As contribuições metodológicas estão embasadas no detalhamento dos procedimentos, esclarecimento de conceitos de Gestão da Informação, mensuração do impacto e aplicabilidade prática do método de automação empregado.

Palavras-chave


contratos; inteligência artificial; digitização

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Aguirre S., & Rodriguez A. (2017) Automation of a Business Process Using Robotic Process Automation (RPA): A case study. In: J. Figueroa-García, E. López-Santana, J. Villa-Ramírez, & R. Ferro-Escobar (Eds). Applied Computer Sciences in Engineering. WEA 2017. Communications in Computer and Information Science, (Vol. 742, pp. 65-71). Cham: Springer

Alves, F., & Valino, R. (2016). Indústria 4.0: Digitização como vantagem competitiva no Brasil. Brasil: PricewaterhouseCoopers.

Ascarelli, T. (2003). Teoria geral dos títulos de crédito. São Paulo: Mizuno Juridica.

Azeredo, J. F. (2014). Reflexos do emprego de sistemas de inteligencia artificial nos contratos (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2131/tde-12122014-150346/pt-br.php

Bellman, R. E. (1978). An introduction to artificial intelligence: Can computer think? San Francisco: Boyd & Fraser Pub. Co.

Belluzzo, R. C. (2019). Transformação digital e competência em informação: reflexões sobre o enfoque e agenda 2030 e os objetivos de desenvolvimento sustentável. Conhecimento em Ação,4(1), 3-30.

Canongia, C., & Mandarino, R. Jr. (2009). Segurança cibernética: o desafio da nova Sociedade da Informação. São Paulo: Parcerias Estratégicas.

Canongia, C., Santos, D. M, Santos, M. M., & Zackiewicz, M. (2004). Foresight, inteligência competitiva e gestão do conhecimento: Instrumentos para a gestão da inovação. Gestão & Produção, 2(2), 231-238.

Carr, N. (2003, Maio). TI já não importa. Haward Business Review Brasil, 3-10. Recuperado de http://www.francosampaio.com/urcamp/adm/tinaoimporta.pdf

Cassares, N. C. (2000). Como fazer conservação preventiva em arquivos e bilbiotecas. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo; Imprensa Oficial.

Castro, C. R. (2003). Crimes de informática e seus aspectos processuais (2a ed.). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Castro, D. R., & Petroni, B. C. (2016). Processo eletrônico no Tribunal de Contas do Estado de São Paulo: Legislação e segurança jurídica. FaSCi-Tech – Periódico eletrônico da Fatec São Caetano do Sul, 1(10), 19-33.

Chandarana, J., & Kapadia, M. (2014). Optical Character Recognition. International Journal of Emerging Technology and Advanced Engineering, 4(5), 219-223.

Coelho, F. U. (2014). Curso de direito comercial (Vol.1). São Paulo: Saraiva.

Cortez, I. S., & Kubota, L. (2013). Contramedidas em segurança da informação e vulnerabilidade cibernética: Evidência empírica de empresas brasileiras. Revista de Administração, 48(4), 757-769

Covello, S. C. (1999). Contratos bancários (3a ed.). São Paulo: Universitária de Direito.

Diniz, M. H. (2008). Curso de direito civil brasileiro. São Paulo: Saraiva.

Eastwood, T. (1994). What is archival theory and why is it important? Archivaria, 37, 122-130.

Felipe, B. F., & Perrota, R. (julho de 2018). Inteligência artificial no direito – Uma realidade a ser desbravada. Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias, 4(1), 1-16.

Fernandes, J. G., Silva, N. A. da, Brock, T. R., de Queiroga, A. G., & Rodrigues, L. C. (2018). Inteligência Artificial: Uma Visão Geral. Revista Eletrônica Engenharia e Debate, 1. Recuperado de http://reeed.com.br/index.php/reeed/article/view/25/23

Flores, D., Rocco, B. C. de B., & Santos, H. M. dos (2016). Cadeia de Custódia para Documentos Arquivísticos Digitais. Acervo, 29(2), 117-132.

Fonseca, C. E. C., Meirelles, F, de S., & Diniz, E. H. (2010). Tecnologia bancária no Brasil: Uma história de conquistas, uma visão de futuro. São Paulo: FGV.

Frank, M., Roehrig, P., & Pring , B. (2017). What to do when machines do everything: How to get ahead in a world of ai, algorithms, bots, and big data. New Jersey: Wiley.

Gai, K., Qiu, M., & Sun, X. (2017). A Survey on FinTech. Journal of Network and Computer Applications, 103(1), 262-273.

Gartner. (2018, maio 14). Inteligência Artificial chegará a US$ 1,2 trilhão em negócios em 2018 Inforchanel. Recueprado de https://inforchannel.com.br/inteligencia-artificial-chegara-a-us-12-trilhao-em-negocios-em-2018/

Gates, B. (1995). A Estrada do Futuro. São Paulo: Companhia das Letras.

Gonçalves, C. R. (2018). Direito civil brasileiro (15a ed.). São Paulo: Saraiva.

Hammer, M., & Champy, J. (1994). Reengineering the corporation. New York: HarperBusiness.

Haugeland, J. (1985). Artificial intelligence: The very idea. Massachusetts: The MIT Pres.

IT Governance Institute. (2013). Board Briefing on IT Governance. Rolling Meadows - EUA.

Jacobsen, A. D. (2014). Sistemas de Informação. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/ UFSC. Recuperado de http://arquivos.eadadm.ufsc.br/EaDADM/UAB3_2013-2/Modulo_4/Sistemas_Informacao/material_didatico/sistema%20informacao_3ed.pdf

Kataoka, K. (2017). Robotics/AI an increasingly potent lever to boost operating efficiency (Vol. 262). N. R. Institute. Recuperado de http://fis.nri.co.jp/~/media/Files/publication/kinyu-itf/en/2017/lakyaravol262.pdf

Kelly, J. E., III, (2015). Computing cognition and the future of knowing IBM WhitePaper. Recuperado de https://pt.scribd.com/document/294844808/Computing-Cognition-and-the-Future-of-Knowing-IBM-WhitePaper

Kurzweil, R. (1992). The age of intelligent machines. Cambridge: MIT Press.

Lobo, L. C. (2017). Inteligência artificial e medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 41(2), 185-193.

Longo, L., & Meirelles, F. de S. (2016). Impacto dos investimentos em tecnologia de informação no desempenho financeiro das indústrias brasileiras. REAd, 83(1), 134-165.

McCarthy, J., Minsky, M. L., & Rochester, N. (1955, August 31). Proposal for the Dartmouth summer research project on artificial intelligence. Dartmouth College. Recuperado de http://jmc.stanford.edu/articles/dartmouth/dartmouth.pdf

Marques, A. T. (2005). Prova documental na internet: A validade e eficácia do documento eletrônico. Curitiba: Juruá.

Mithe, R., Indalkar, S., & Divekar, N. (2013). Optical character recognition. International Journal of Recent Technology and Engineering (IJRTE), 2(1), 72-75.

Monteiro, S. A. (2018). Bases teóricas da gestão da informação: Da gênese às relações interdisciplinares. InCid: Revista da Ciência da Informação e Documentação, 9(2), 89-106.

Navarro, E. (1999). Elementos, actividades y critérios para la identificación, conpreensión y selección de conceptos en la indización analítica. Madri: Zaragoza.

Neves, D. A., & Fujita, M. S. (2015). Abordagens cognitivas da ciência da informação no Brasil: mapeamento conceitual. Anais do Congreso ISKO España-Portugal. Organización del conocimiento, 2, España. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6345427

Nilsson, J., Bernhardssont, B., & Wittenmark, B. (1998). Stochastic analysis and control of real-time systems with random time delays. Automatica, 34(1), 57-64.

Oliveira, M. V., & Santos, M. R. (2017). Últimos cincos anos de pesquisa em biometria: Um estudo das principais universidades no Brasil. For Science - Revista Científica da IFMG, 3(2), 39-55.

Osorio, F., & Bittencourt, J. (1991). Sistemas inteligentes baseados em redes neurais artificiais aplicados ao processamento de imagens. Anais do Workshop de Inteligência Artificial, 1, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil. Recuperado de http://osorio.wait4.org/oldsite/wia-unisc/wia2000-full.pdf

Patrício, M. T., Alves, E., Alves, J. E., Mourato, J., Santos, P., & Valente, R. P. (2018). Avaliação do desempenho da investigação aplicada no ensino superior politécnico: Construção de um modelo. Sociologia, Problemas e Práticas, (86), p. 69-89. Recuperado de http://dx.doi.org/10.7458/SPP20188610056

Peloi, S. C. (2014). As contribuições dos estudos contemporâneos para o processo de tomada de decisão. Intuitio - Revista do PPG EM Filosofia da PUCRS, 8(1), 104-122.

Pereira, C. M. (1998). Instituições de direito civil (10a ed., Vol. III). Rio de Janeiro: Forense.

Potter, R. E. (2003). Administração de tecnologia da informação - Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Campos.

Mithe, R., Indalkar, S., & Divekar, N. (2013). Optical Character Recognition. International Journal of Recent Technology and Engineering (IJRTE), 2(1), 2277-3878.

Ribeiro, C. M., Bastos, D., Santos, J., Guerra, J., & Alves, R. (2017). Melhoria de processos em gestão de saúde pública: Extração automática de conhecimento e busca semântica de documentos não estruturados. Empírica, 2(1), 72-87.

Rothenberg, J. (1996). Metadata to support data quality and longevity. Recueprado de https://www.semanticscholar.org/paper/Metadata-to-support-data-quality-and-longevity-Rothenberg/e5e0e3ac5a2e40c7be7954de334fe7cbbde74cda

Russel, S., & Norvig, P. (2014). Inteligência artificial (3a ed.). São Paulo: Campus.

Santos, G. B. B. dos (2016). Contratos eletrônicos de consumo: Os desafios e as perpectivas da proteção do consumidor no Mercosul à luz do precedente Europeu (Dissertação de mestrado) Coimbra, Portugal. Recuperado de http://hdl.handle.net/10316/43071

Santos, H. M., & Flores, D. (2015). Os impactos da obsolescência tecnológica frente à preservação de documentos digitais. Brazilian Journal of Information Science: research trends, 11(2), 28-37.

Sarfati, G. (2016). Prepare-se para a revolução: Economia colaborativa e inteligência artificial. GV Executivo, 15(1), 25-28. Recuperado de https://rae.fgv.br/gv-executivo/vol15-num1-2016/prepare-se-para-revolucao-economia-colaborativa-inteligencia-artificial

Schafer, M. B., & Flores, D. (2013). A digitalização de documentos arquivísticos no contexto brasileiro. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 6(2), 1-31.

Schmidt, G. (2014). Crimes cibernéticos. JusBrasil. Recuperado de http://gschmidtadv.jusbrasil.com.br/artigos/149726370/crimes-ciberneticos

Sêmola, M. (2014). Gestão da segurança da informação: Uma visão executiva (2a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Stairs, R. M., & Reynolds, G. W. (2017). Principles of information systems. Mason: Cengage Learning, Inc.

Sternberg, R. J. (1977). Component processes in analogical reasoning. Psychological Review, 84(4), 353–378.

Takahashi, T. (2000). Sociedade da informação no Brasil: Livro verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia.

Tiago, E., & Coronato, M. (12 de Março de 2019). Como lidar com a invasão da inteligência artificial. Época Negócios. Recuperado de https://epocanegocios.globo.com/Tecnologia/noticia/2019/03/como-lidar-com-invasao-da-inteligencia-artificial.html

Tolomei, F. S. (2009). Linhas gerais sobre contratos bancários. Anais do Encontro de Iniciação Científica, 5, Encontro de extensão Universitária, 4, e Encontro de Iniciação Científica para o Ensino Médio, 1. Presidente Prudente, SP, Brasil. Recuperado de http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/ETIC/article/view/2124

Turban, E., & Volonino, L. (2013). Tecnologia da Informação para gestão: Em busca do melhor desempenho Estratégico e Operacional (8a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Turing, A. M. (1950). Computing machinery and intelligence (Vol. 59). Oxford: Oxford University Press.

Zavolokina, L. Dolata, M., & Schwabe, G. (2016). The fintech phenomenon: Antecedents of financial. Financial Innovation, 2(16). doi:10.1186/s40854-016-0036-7




DOI: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2020.v20i2.1872

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Gestão & Tecnologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.