Occupational Stress in Professionals from a Large University Hospital in Brazil

Luciano Pereira Zille, Mário Teixeira Reis Neto, Gisele Ferreira Pinto Siqueira Pereira, kelly de Morais

Resumo


Abstract

Objective: The objective was to analyze and explain work stress in technical-administrative professionals who work in a public university hospital in Brazil.
Method: The research was of a descriptive and explanatory nature, where 101 professionals were surveyed, corresponding to 70% of the population.
Results: They indicated that 70.6% had stress. The prevalent symptoms were fatigue and anxiety. The sources of tension predominantly indicated coexistence with emotionally unbalanced individuals. The main indicators of impact on work were demotivation and the difficulty of remembering recent facts. The strategies used to cope with stress most used by those surveyed who did not show any manifestations of stress were the possibility of resting on weekends and enjoying regular holidays. Women presented, on average, occupational stress higher than that of men. In relation to health, it was observed that those identified with stress were the ones that most revealed problems in this area. Significant correlations of medium to great intensity were identified, between occupational stress and sources of tension at work, sources of tension of the individual, indicators of impact at work and regulatory mechanisms.
Recommendations: Enables a better understanding of the impacts of the work environment on the physical and psychological health of the respondents. It contributes to the researched institution by revealing the variables that generate stress, as well as the consequences of the risk of illness of professionals, enabling the adoption of measures related to the management and organization of work that can minimize situations of excessive tension in the work environment.


Palavras-chave


Keywords: Occupational stress; Brazilian technical-administrative professionals; Brazilian public university hospital.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Azevedo, E. (2015). Estresse no trabalho: estudo com gestoras que atuam em empresas privadas no sul do estado de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte.

Barboza, D. B., & Soler, Z. A. S. G. (2003). Nursing absenteeism: occurrences at a university hospital. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 11(2), 177-183.

Barnett, V. (2002). Sample survey principles and methods. Arnold.

Bezerra, C. D. M., Minayo, M. C. D. S., & Constantino, P. (2013). Occupational stress among female police officers. Ciencia & saude coletiva, 18(3), 657-666.

Bianchi, E. R. F. (2001). Conceito de stress: evolução histórica. Nursing (Säo Paulo), 4(39), 16-9.

Braga, J. C. M., & Zille, L. P. (2015). Estresse no trabalho: estudo com taxistas na cidade de Belo Horizonte. Contextus–Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 13(1), 34-59.

Canova, K. R., & Porto, J. B. (2010). O impacto dos valores organizacionais no estresse ocupacional: um estudo com professores de ensino médio. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 11(5), 4-31.

Chen, M. J., & Cunradi, C. (2008). Job stress, burnout and substance use among urban transit operators: The potential mediating role of coping behaviour. Work & Stress, 22(4), 327-340.

Cohen, A. (2003). Multiple commitments in the workplace: An integrative approach. Psychology Press.

Cooper, C., Cooper, R., & Eaker, L. (1987). Living with stress. Penguin Books.

Cooper, C. L., Cooper, C. P., Dewe, P. J., O'Driscoll, M. P., & O'Driscoll, M. P. (2001). Organizational stress: A review and critique of theory, research, and applications. Sage.

Gilboa, S., Shirom, A., Fried, Y., & Cooper, C. (2008). A meta‐analysis of work demand stressors and job performance: examining main and moderating effects. Personnel Psychology, 61(2), 227-271.

Couto, H. D. A. (1987). Stress e qualidade de vida do executivo. In Stress e qualidade de vida do executivo. Cop.

Couto, H. D. A. (2014). Ergonomia do corpo e do cérebro no trabalho: os princípios e a aplicação prática. Belo Horizonte: Ergo.

Cremonezi, A. M. (2014). Estresse no trabalho: estudo com professores de uma faculdade privada de ensino superior e uma escola pública de ensino fundamental e médio de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte: 2014.

French, W. L., Bell Jr, C. H., & Zawacki, R. A. (1983). Organization Development: Theory, Practice and Research,(rev. ed.). Piano, TX: Business Publications.

Hernández, E. G., Pereira, A. M. B., Jiménez, B. M., & Gutiérrez, J. L. G. (2002). Prevenção e intervenção na síndrome de burnout. como prevenir (ou remediar) o processo de burnout. In Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador (pp. 227-272).

Hernández, E. G., Pereira, A. M. B., Jiménez, B. M., & Gutiérrez, J. L. G. (2002). Prevenção e intervenção na síndrome de burnout. como prevenir (ou remediar) o processo de burnout. In Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador (pp. 227-272).

Gonçalves, A. S. (2016). Estresse ocupacional: estudo com gestores de um hospital público universitário do estado de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte, MG. Brasil.

Gonçalves, D. K. R. (2018). Estresse ocupacional: estudo com gestorasde unidades acadêmicas de uma instituição pública federal de ensino superiorna cidade de Belo Horizonte/MG. Belo Horizonte: Centro Universitário Unihorizonte, 2018 (Dissertação de Mestrado em Administração).

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.

Humphrey, J. N., & Humphrey, J. H. (1986). Coping with stress in teaching (No. 3). Ams Pr Inc.

ISMA – International Stress Management Association. Estocolmo, Suéia: 2010. (Bulletin).

Belkic, K., Landsbergis, P., Schnall, P., Backer, D., Theorell, T., Siegrist, J., ... & Karasek, R. (2000). Psychosocial factors: review of the empirical data among men. Occupational Medicine, State of the Art Reviews, the Workplace and Cardiovascular Disease, 15(1), 24-46.

Koolhaas, J. M., Bartolomucci, A., Buwalda, B., de Boer, S. F., Flügge, G., Korte, S. M., ... & Richter-Levin, G. (2011). Stress revisited: a critical evaluation of the stress concept. Neuroscience & Biobehavioral Reviews, 35(5), 1291-1301.

Jex, S. M. (1998). Stress and job performance: Theory, research, and implications for managerial practice. Sage Publications Ltd.

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Coping and adaptation. The handbook of behavioral medicine, vol. 282325.

Levi, L. (2005). Sociedade, stress e doença–investimentos para a saúde e desenvolvimento: causas, mecanismos, conseqüências, prevenção e promoção. In V Congresso de Stress da ISMA–BR (International Stress Management Association) e VII Fórum Internacional de Qualidade de Vida no Trabalho. Porto Alegre: Anais.

Limongi-França, A. C. ; Arellano, E. B. (2002). Rodrigues, A. L. (2002). Stress e trabalho. São Paulo: Atlas.

Lipp, M. E. N. (2001). Estresse emocional: a contribuição de estressores internos e externos. Rev. psiquiatr. clín.(São Paulo), 28(6), 347-349.

Lipp, M. E. N. (2003). Stress do Professor (o). Papirus Editora.

LIPP, M. N. (2005). Stress e o turbilhão da raiva. Casa do Psicólogo.

Luz, C. Stress, hormônios e estilo de vida: diferenças da longevidade entre homens e mulheres. V Congresso de Stress da ISMA – BR (International Stress Management Association) e VII Fórum Internacional de Qualidade de Vida no Trabalho. Porto Alegre: Anais ... 2005.

Mafia, L. N; Zille, L. P. (2013). Estresse ocupacional: estudo com gestores que atuam nas secretarias de governo do estado de Minas Gerais. In: Encontro Nacional Da Associação Dos Programas De Pósgraduação Em Administração. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Mendonça, H., & Costa Neto, S. B. (2008). Valores e estratégias psicológicas de enfrentamento ao estresse no trabalho. Estresse e cultura organizacional, 193-228.

MOLINA, O. F. (1996). Estresse no cotidiano. São Paulo: Pancast, 1(9), 9.

Mota, C. M., Tanure, B., & Neto, A. C. (2008). Estresse e sofrimento no trabalho dos executivos/Top managers’ stress and suffering at work/Estrés y sufrimiento en el trabajo de los ejecutivos. Psicologia em Revista, 14(1), 107-130.

Peduzzi, M.; Anselmi, M. L.(2002). O processo de trabalho de enfermagem: a cisão entre planejamento e execução do cuidado. Rev Bras Enferm; 55: 392-8.

Pego, Z. O., Zille, L. P., & Soares, M. G. (2016). O estresse ocupacional de servidoras técnico-administrativas. Revista Alcance, 23(2), 156-169.

Pereira, G. F. P. S. (2018). Estresse ocupacional: estudo com analistas administraticos e assistências em instituição hospitalar pública. Belo Horizonte: Centro Universitário Unihorizontes, 2018. (Dissertação de Mestrado em Administração).

Pizzato, M. I. G. (2007). Estratégias de coping. Gestão de Organizações Públicas e Privadas: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Brasport, 141-152.

Quick, J. C., Quick, J. D., Nelson, D. L., & Hurrell Jr, J. J. (1997). Preventive stress management in organizations. American Psychological Association.

Rees, D. W. (1995). Work-related stress in health service employees. Journal of Managerial Psychology, 10(3), 4-11.

Rossi, A. M. (1991). Autocontrole: Una Maneira de Controlar o Estress. Rosa dos Tempos, Rio de Janeiro.

Santos, A. Q. dos. (2015). Estresse ocupacional: estudo com gestores docentes de unidades acadêmicas da área da saúde de uma instituição federal de ensino situada no estado de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte: 2015.

Selye, H. (1936). A syndrome produced by diverse nocuous agents. Nature, 138(3479), 32-32.

Selye, H. (1954). Interactions between systemic and local stress. British medical journal, 1(4872), 1167.

Selye, H. (1956). The stress of life McGraw Hill. New York.

Selye, H. (1959). Perspectives in stress research. Perspectives in biology and medicine, 2(4), 403-416.

Selye, H. (1974). What is stress. Stress without distress.

Silva, S. L. (2015). Estresse ocupacional em professores: estudo no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte: 2015.

Tamayo, A. (2007). Impactos dos valores da organização sobre o estresse ocupacional. RAC Eletrônico, 1(2), 20-33.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2a edição. Porto Alegre.

Zille, L. P. (2005). Novas perspectivas para a abordagem do estresse ocupacional em gerentes: estudo em organizações brasileiras de setores diversos. Belo Horizonte: Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2005. (Tese Doutorado em Administração)

Zille, L. P., Braga, C. D., & Marques, A. L. (2008). Estresse no trabalho: estudo de caso com gerentes que atuam em uma instituição financeira nacional de grande porte. Ciencias da Administraçao, 10(21), 175-196.

Zille, L. P., & Zille, G. P. (2010). O estresse no trabalho uma análise teórica de seus conceitos e suas inter relações. Gestão e Sociedade, 4(7), 414-434.

Zille, L. P., Braga, C. D., & Zille, G. P. (2011). Estresse Ocupacional: Como os Gestores Brasileiros estão respondendo às transformações na função gerencial. Sant’Anna, A. S; Kilimnik, Z. M. Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos. Rio de Janeiro: Campus.

Zille, L, P., Marques, A. L. & Braga, C. D. (2013). Tensões no trabalho e a realidade dos gestores brasileiros. Desafios econômicos e gerenciais das relações luso-brasileiras: uma década em perspectiva. Lisboa: Edições Colibri.

(*) Thanks to FAPEMIG for its support in the de




DOI: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2020.v20i2.1859

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Gestão & Tecnologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.