Proposta de planejamento estratégico para melhorias na gestão de um Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Ingrid Zanuto de Freitas, Sandra Mara Stocker Lago, Ronaldo Bulhões

Resumo


Este relato técnico objetivou analisar o atual cenário e propor um planejamento estratégico para o Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), com vistas a aprimorar a gestão interna do mesmo. Trata-se de um estudo de caso com abordagem qualitativa, em qual, por meio de observação participante, pesquisa documental e entrevistas com o gestor e demais colaboradores, foram elaborados o Canvas, a análise SWOT assim como a missão, visão e objetivos do NIT. Percebe-se que os NITs enfrentam diversos problemas e dificuldades que advêm do governo, das ICTs e do próprio NIT, e, assim, que há fatores que não podem ser controlados pelos NITs, como os problemas que advêm do governo ou das ICTs, mas que há fatores que advêm de problemas internos do próprio NIT e que podem ser amenizados ou melhorados com o aprimoramento da gestão desses departamentos, dando clareza quanto à direção e controle das suas atividades, utilizando-se da aplicação prática de ferramentas estratégicas. Como resultado da intervenção, foram elaboradas as estratégias, metas e indicadores de desempenho, que tiveram como característica comum o objetivo de minimizar os pontos fracos do departamento e suas ameaças e potencializar seus pontos fortes e suas oportunidades. Além do NIT objeto da pesquisa, ressalta-se que o resultado deste estudo pode servir como base e ser adaptado em outros NITs nacionais e internacionais, visto as dificuldades semelhantes enfrentadas por estes departamentos.


Texto completo:

PDF PDF

Referências


Almeida, M. L., Silva, J. L. G., & Oliveira, E. A. A. Q. (2014). A inovação como fator de desenvolvimento regional. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 10(3), 314-350.

Alves, V.C., Segundo, G. S. A., & Sampaio, R. R. (2015). Reflexões sobre as competências dos núcleos de inovação tecnológica. Cadernos de Prospecção, 8(4), 688-696.

Bakouros, Y. L., & Samara, E. T. (2010). Academic liaison offices vs. technology transfer units: Could they form a new joint mechanism towards the exploration of academic/research results?. International Journal of Innovation Science, 2(4), 145-157.

Beltrán, P. A., Bautista, R. P., & Sáez, F. J. (2017). An in-depth analysis of a TTO's objectives alignment within the university strategy: An ANP-based approach. Journal of Engineering and Technology Management, 44, 19-43.

Bortolini, H. V., Cário, S. A. F., Constante, J. M., & Lemos, D. C. (2014). Análise da implementação e operação dos núcleos de inovação tecnológica (NITs) no Brasil: Estrutura, gestão e relação com o setor produtivo. Anais do VIII Encontro de Estudos em Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas (EGEPE). Goiânia-GO.

Bueno, A. & Torkimian, A. L. V. (2018). Índices de licenciamento e de comercialização de tecnologias para núcleos de inovação tecnológica baseados em boas práticas internacionais. Revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 23(51), 95-107.

Chiavenato, I., & Sapiro, A. (2003). Planejamento estratégico. Rio de Janeiro: Elsevier.

Coelho, L. C. D., & Dias, A. A. (2016). O núcleo de inovação tecnológica da UFPE: Instrumento de política de inovação ou obrigação legal?. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 7(1), 28-42.

Costa, C. O. M. (2013). Transferência de tecnologia universidade-indústria no Brasil e a atuação de núcleos de inovação tecnológica. Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Costa, P. R., & Junior, S. S. B. (2016). Atuação dos núcleos de inovação tecnológica na gestão da cooperação universidade-empresa. Revista de Administração FACES Journal, 15(4), 25-45.

Desidério, P. H. M., & Zilber, M. A. (2014). Barreiras no processo de transferência tecnológica entre agências de inovação e empresas: Observações em universidades públicas e privadas. Revista Gestão & Tecnologia, 14(2), 101-126.

Dyson, R. G. (2004). Strategic development and SWOT analysis at the University of Warwick. European journal of operational research, 152, 631-640.

Figueiredo, P. N. (2005). Acumulação tecnológica e inovação industrial: Conceitos, mensuração e evidências no Brasil. São Paulo em perspectiva, 19(1), 54-69.

Fujino, A., & Stal, E. (2007). Gestão da propriedade intelectual na universidade pública brasileira: Diretrizes para licenciamento e comercialização. Revista de Negócios, 12(1), 104-120.

Garcia, D. L., Bisneto, J. P. M., & Santos, E. M. (2017). Núcleo de inovação tecnológica da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia: Um diagnóstico setorial. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 5(1), 23-49.

Gumbi, S. (2010). A review of performance standards to monitor, evaluate and assess the impact of technology transfer offices. South African Journal of Science, 106(7-8), 1-9.

Iata, C. M., Teixeira, C. S., Macedo, M., & Cunha, C. J. C. A. (2017). O perfil e as práticas de interação dos núcleos de inovação tecnológica de Santa Catarina pela abordagem da tríplice hélice. Espacios, 38(11), 1-14.

Katz, I. S. S., Prado, F. O., & Souza, M. A. (2018). Processo de implantação e estruturação do núcleo de inovação tecnológica. Revista Gestão & Tecnologia, 18(1), 225-251.

Lata, C., & Cunha, C. J. C. A. (2018). A atuação da tríplice hélice em Santa Catarina pela visão dos núcleos de inovação tecnológica (NITs) do Estado. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 8(4), 180-188.

Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm

Machado, H. P. V., Sartori, R., & Crubellate, J. M. (2017). Institucionalização de núcleos de inovação tecnológica em instituições de ciência e tecnologia da região Sul do Brasil. Revista Eletrônica de Administração, 23(3), 5-31.

Marin, A., Hadãr, A., Purcãrea, A. A., & Boantã, L. (2017). Business modeling process for university’s technology transfer offices. De Gruyter, 1033-1049.

Mikosz, V. M., & Lima, I. A. (2018). A relação universidade-empresa-governo: Mecanismos de cooperação e seus fatores intervenientes em uma universidade pública. Revista Tecnologia e Sociedade, 14(34), 215-239.

Núcleo de Inovações Tecnológicas – NIT UNIOESTE (2019). https://www5.unioeste.br/portal/nucleos/nit

O’kane, C., Mangematin, V., Geoghegan, W., & Fitzgerald, C. (2015). University technology transfer offices: The search for identity to build legitimacy. Research Policy, 44, 421-437.

Osterwalder, A., & Pigneur, Y. (2011). Business Model Generation – Inovação em Modelos de Negócios: um manual para visionários, inovadores e revolucionários. Rio de Janeiro: Alta Books.

Paranhos, J., Cataldo, B., & Pinto, A. C. A. (2018). Criação, institucionalização e funcionamento dos núcleos de inovação tecnológica no Brasil: Características e desafios. Revista Eletrônica de Administração, 24(2), 253-280.

Pereira, M. F., Melo, P. A., Dalmau, M. B., & Harger, C. A. (2009). Transferência de conhecimentos científicos e tecnológicos da universidade para o segmento empresarial. Revista de Administração e Inovação, 6(3), 128-144.

Pereira, R. P. A., Melo, D. R. A., & Júnior, D. C. V. (2017). Nível de maturidade de um NIT: Estudo de caso na pró reitoria de inovação tecnológica da Universidade Federal do Amazonas. Anais do V Simpósio de Engenharia de Produção – SIMEP.

Pietrovski, E. F. (2017). Ações de gestão para apoiar os núcleos de inovação tecnológica nas instituições de ensino superior. Tese de Doutorado, Programa de Mestrado e Doutorado em Administração, Universidade Positivo, Curitiba.

Pires, E. A., & Quintella, C. M. A. T. (2015). Política de propriedade intelectual e transferência de tecnologia nas universidades: Uma perspectiva do NIT da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Holos, 31(6), 178-195.

Queiroz, D. C., & Meza, M. L. F. G. (2018). Produção de ciência e tecnologia dos inventores de uma universidade tecnológica: Insights sobre a presença da ecoinovação na tecnologia. Revista Tecnologia e Sociedade, 14(34), 240-260.

Rennó, A. S., Zambalde, A. L., Veroneze, R. B., & Sousa, D. (2016). Appropriation mechanisms of search results: A case study in a public university of Minas Gerais. Revista de Administração e Inovação, 13, 274-284.

Rosa, R. A., & Frega, J. R. (2017). Intervenientes do processo de transferência tecnológica em uma universidade pública. Revista de Administração Contemporânea, 21(4), 435-457.

Santos, A. L., & Silva, S. C. (2017). Desenvolvimento de um modelo de gestão do conhecimento em um núcleo de inovação tecnológica. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, 12(1), 1-13.

Sartori, R., Spinosa, L. M., & Nogas, P. S. M. (2017). Práticas de gestão em um núcleo de inovação tecnológica: O caso da Universidade Estadual de Maringá. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, 12(3), 377-390.

Sengupta, A., & Ray, A. S. (2017). Choice of structure, business model and portfolio: Organizational models of knowledge transfer offices in british universities. British Journal of Management, 28, 687-710.

Sharifi, H., Liu, W., & Ismail, H. S. (2014). Higher education system and the ‘open’ knowledge transfer: A view from perception of senior managers at university knowledge transfer offices. Studies in Higher Education, 39(10), 1860-1884.

Silva, A. S. B., & Silva, R. P. (2015). Inovação, propriedade intelectual e os núcleos de inovação tecnológica (NIT). Anais do IV SINGEP. São Paulo-SP.

Silva, L. C. S., Kovaleski, J. L., & Gaia, S. (2013). Gestão do conhecimento organizacional visando à transferência de tecnologia: Os desafios enfrentados pelo NIT da Universidade Estadual de Santa Cruz. Revista Produção Online, 13(2), 677-702.

Silva, L. C. S., Kovaleski, J. L., Gaia, S., Segundo, G. S. A, & Caten, C. S. T. (2015). Processo de transferência de tecnologia em universidades públicas brasileiras por intermédio dos núcleos de inovação tecnológica. Interciencia, 40(10), 664-669.

Silva, L. R. (2015). Estudo sobre os padrões de organização e práticas de gestão em núcleo de inovação tecnológica nas universidades: Análise multicaso entre instituições públicas e privadas. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Administração, Centro Universitário da FEI, São Paulo.

Silva, L. R., Bernardes, R. C., & Gattaz, C. C. (2015). Um comparativo das estratégias tecnológicas e de negócios na gestão dos NITs brasileiros em universidades públicas e privadas. Anais do XVI Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão da Tecnologia. Porto Alegre-RS.

Souza, A. C. M. M. (2011). Gestão de núcleos de inovação tecnológica. Anais do XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul e II Congresso Internacional IGLU. Florianópolis-SC.

Teixeira, L.A. C. (2018). Como os núcleos de inovação tecnológica dos institutos públicos de pesquisa podem contribuir para os resultados de inovação do Estado de São Paulo: um estudo de caso dos institutos de administração direta do governo do Estado. Tese de Doutorado, Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ustundag, A., Ugurlu, S., & Kilinc, M. S. (2011). Evaluating the performance of technology transfer offices. Journal of Enterprise Information Management, 24(4), 322-337.

Weckowska, D. M. (2015). Learning in university technology transfer offices: Transactions-focused and relations-focused approaches to commercialization of academic research. Technovation, 62-74.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: Planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre/Rio Grande do Sul: Bookman.

Zandavalli, C., Santos, D., Mello, M. I. C., Pichetti, R. F., Teixeira, C. S., & Macedo, M. (2016). A inovação na perspectiva de uma instituição de ciência e tecnologia: Um olhar sobre o núcleo de inovação tecnológica. Espacios, 37(35), 1-17.




DOI: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2020.v20i1.1759

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Gestão & Tecnologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.