Use of systems dynamics for comparative between rail and road models for the transport of solid urban waste

Flaviani Souto Bolzan Medeiros, Glauco Oliveira Rodrigues, Eugênio de Oliveira Simonetto, Wellington Furtado Santos

Resumo


Os Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) se configuram como uma problemática tanto no Brasil como em outras partes do mundo e isso exige que se pense em meios de como amenizar seus impactos negativos. Assim, o objetivo deste artigo consiste em realizar um comparativo financeiro e ambiental entre os modais ferroviário e rodoviário no transporte de resíduos sólidos urbanos via simulação baseada na Dinâmica de Sistemas. Para a modelagem adotou-se à metodologia proposta por Law (2015) e, logo após, a definição de todas as equações e suas relações o modelo foi simulado considerando um horizonte de tempo de onze anos. Os resultados revelam que, visto de uma perspectiva financeira, há uma grande diferença existente entre os modais rodoviário e ferroviário no transporte dos RSU. Portanto, demonstra a importância da valorização das ferrovias, e também, apresenta-se como outra opção aos gestores para o transporte do lixo gerado na região estudada.

Palavras-chave


Resíduos Sólidos Urbanos; Modais de Transporte; Dinâmica de Sistemas

Texto completo:

PDF

Referências


ABRELPE – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. (2016). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil-2016. Recuperado em 19 junho, 2018, de http://www.mpdft.mp.br/portal/pdf/comunicacao/junho_2018/panoramaanexos2016.pdf.

ALL – América Latina Logística. (2013). Os setores ferroviário e rodoviário. Recuperado em 11 junho, 2018, de http://ri.all-logistica.com/conteudo_pt.asp?idioma=0&conta=28&tipo=275.

ANDRADE, A. L; SELEME, A.; RODRIGUES, L. H.; SOUTO, R. (2006). Pensamento sistêmico: caderno de campo: o desafio da mudança sustentada nas organizações e na sociedade. Porto Alegre: Bookman.

ANFAVEA – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. (2014). Anuário da Indústria Automobilística Brasileira. Recuperado em 11 junho, 2018, de http://www.anfavea.com.br/anuario.html.

ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. (2016). Boletim Anual de Preços 2016: preços do petróleo, gás natural e combustíveis nos mercados nacional e internacional. Rio de Janeiro: ANP.

ANTAQ – Agência Nacional de Transportes Aquaviários. (2011). Recuperado em 26 abril, 2018, de http://portal.antaq.gov.br/index.php/eventos/2011-2/ii-seminario-portos-e-vias-navegaveis-um-olhar-sobre-a-infraestrutura.

ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres. (2013). Acompanhamento das concessões ferroviárias: relatório anual. Brasília: Ministério dos Transportes.

_____. (2016). Programa de Exploração Ferroviária (PEF). Recuperado em 05 junho, 2018, de http://www.antt.gov.br/backend/galeria/arquivos/caderno_de_engenharia__anexo_iii.pdf.

_____. (2017). Mapa do sistema ferroviário nacional. Recuperado em 19 setembro, 2017, de http://appweb2.antt.gov.br/carga/ferroviario/ferroviario.asp.

ARIOLI, M.; LINDAU, L. A. (2014, novembro). Mecanismos de mitigação de gases de efeito estufa no transporte urbano. Anais do Congresso Nacional de Pesquisa e Ensino em Transporte, Curitiba, PR, Brasil, 28.

ARRUDA JÚNIOR, J. da S. (2014). Desenvolvimento de um método para redução do consumo de combustível no transporte rodoviário de cargas: capacitação, aplicações de torque e telemetria para veículos pesados. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

BALLOU, R. H. (2006). Gerenciamento da cadeia de suprimentos: logística empresarial. (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

BARTHOLOMEU, D. B.; CAIXETA FILHO, J. V. (2008). Impactos econômicos e ambientais decorrentes do estado de conservação das rodovias brasileiras: um estudo de caso. Revista de Economia e Sociologia Rural, 46(3), 703-738.

CASTIGLIONI, J. A. de M.; PIGOZZO, L. (2014). Transporte e distribuição. São Paulo: Érica.

CHWIF, L.; MEDINA, A. C. (2015). Modelagem e simulação de eventos discretos: teoria e aplicação. (4a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

CNT – Confederação Nacional de Transporte. (2012). Os impactos da má qualidade do óleo diesel brasileiro. Brasília: CNT.

_____. (2013). O sistema ferroviário brasileiro. Brasília: CNT.

_____. (2018). Boletim estatístico. Recuperado em 25 abril, 2018, de http://cms.cnt.org.br/Imagens%20CNT/BOLETIM%20ESTAT%C3%8DSTICO/BOLETIM%20ESTAT%C3%8DSTICO%202018/Boletim%20Estat%C3%ADstico%20-%2001%20-%202018.pdf.

COLAVITE, A. S.; KONISHI, F. (2015, outubro). A matriz do transporte no Brasil: uma análise comparativa para a competitividade. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Resende, RJ, Brasil, 12.

COSTA, E. L.; BARTHOLOMEU, D. B.; CAIXETA FILHO, J. V.; ROCHA, F. V. da. (2016, dezembro). Estudo sobre a mensuração do consumo de combustíveis em agentes do setor de transportes terrestres de cargas. Anais do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo, SP, Brasil, 18.

DEUS, R. M.; BATTISTELLE, R. A. G.; SILVA, G. H. R. (2015). Resíduos sólidos no Brasil: contexto, lacunas e tendências. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, 20(4), 685-698.

DIAS, A. C. S.; RIBEIRO, M. M. (2013). Um estudo sobre a infraestrutura existente no Brasil para o transporte de cargas. Revista Intellectus, IX(23), 42-64.

DRUMM, F. C.; GERHARDT, A. E.; FERNANDES, G. D.; CHAGAS, P.; SUCOLOTTI, M. S.; KEMERICH, P. D. da C. (2014). Poluição atmosférica proveniente da queima de combustíveis derivados do petróleo em veículos automotores. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 18(1), 66-78.

FARIA, A. C. de; COSTA, M. de F. G. da. (2015). Gestão de custos logísticos: custeio baseado em atividades (ABC), balanced scorecard (BSC), valor econômico agregado (EVA). São Paulo: Atlas.

FORD, A. (2009). Modeling the environment. (2a ed.). Washington: Island Press.

FRANZONI, A. M. B.; FREITAS, S. M. M. de. (2005, novembro). Logística de transporte internacional. Anais do Simpósio de Engenharia de Produção, Bauru, SP, Brasil, 11.

FROTA, A. J. A.; TASSIGNY, M. M.; BIZARRIA, F. P. de A.; OLIVEIRA, A. G. de. (2015). Implantação de um sistema de coleta seletiva: aspectos legais e de sustentabilidade. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 4(1), 129-155.

GOMES, C. F. S.; RIBEIRO, P. C. C. (2004). Gestão da cadeia de suprimentos integrada à tecnologia da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

GONÇALVES, J. M. F. (2012). Cenários possíveis para o transporte de açúcar e de contêineres para o Porto de Santos visando à redução das emissões de gases de efeito estufa. Tese de doutorado, Universidade Metodista de Piracicaba, Santa Bárbara D’Oeste, SP, Brasil.

GOUVEIA, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, 17(6), 1503-1510.

GUDOLLE, M. F. (2016). Os custos logísticos da soja em grãos: estudo de caso em uma empresa cerealista no município de Cruz Alta-RS. Dissertação de mestrado, Universidade de Cruz, Cruz Alta, RS, Brasil.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2008). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - 2008. Recuperado em 12 maio, 2018, de https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb2008/default.shtm.

_____. (2016). Taxas brutas em 2016: Brasil em síntese. Recuperado em 19 junho, 2018, de https://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas-brutas-de-natalidade.html.

INEA – Instituto Estadual do Ambiente. (2012). Cálculo de emissões para a frota de veículos brasileira. Recuperado em 20 julho, 2018, de http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80060/GT%20Inventarios/Breve%20-%20Calculo%20de%20Emissoes%20para%20a%20Frota%20de%20Veiculos%20Brasileira%20-Lemma_UFPR.pdf.

LAW, A. M. (2015). Simulation modeling and analysis. (5a ed.). Porto Alegre: McGraw-Hill.

MACIEL, M. A. D.; BARROS JUNIOR, C.; ANDREAZZA, M. A. (2015, novembro). Levantamento de emissões de gases de efeito estufa no transporte de materiais de uma construção civil em Maringá/PR. Anais do Encontro Internacional de Produção Científica Unicesumar, Maringá, PR, Brasil, 9.

MAGALHÃES, E.; SANTOS, A. G.; ELIA, B.; PINTO, G. (2013). Gestão da cadeia de suprimentos. Rio de Janeiro: Editora FGV.

MARINHO, F. C.; SOUZA, A. C. B. de; SILVA, J. L. G. da; MEIRELLES, E. G.; PINTO JUNIOR, D. M. (2013). Transporte de cargas: uma análise sobre os modais e sua aplicação na região Sul Fluminense. Revista ADMpg Gestão Estratégica, 6(1), 37-45.

MARQUES, C. F.; ODA, E. (2012). Atividades técnicas na operação logística. Curitiba: IESDE Brasil S.A.

MELQUIADES, J. A. R. (2015). Modelagem para a roteirização do processo de coleta e transporte dos resíduos sólidos urbanos. Tese de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. (2014). Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por Veículos Automotores Rodoviários. Recuperado em 10 junho, 2018, de http://www.anp.gov.br/?pg=71044&m=&t1=&t2=&t3=&t4=&ar=&ps=&cachebust=1402513929715.

MORAIS, C. F. de; COLESANTI, M. T. de M. (2014). Proposta de tratamento alternativo para resíduos sólidos urbanos na Cidade de Uberlândia – MG. Caminhos de Geografia, 15(52), 100-118.

NOVO, A. L. A. (2016). Perspectivas para o consumo de combustível no transporte de carga no Brasil: uma comparação entre os efeitos estrutura e intensidade no uso final de energia do setor. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

NUNES, R. R.; SILVA, R. A. P. da. (2015). Transbordo de resíduos sólidos. Revista Pensar Engenharia, 3(1), 1-18.

NUNNENKAMP, C. H.; CORTE, A. P. D. (2017). Emissão de gases de efeito estufa e proposta de projeto para compensação: um estudo de caso e-commerce. Biofix Scientific Journal, 2(1), 69-77.

PADULA, R. (2008). Transportes – fundamentos e propostas para o Brasil. Brasília: Confea.

PETROBRAS – Petróleo Brasileiro S. A. (2018). Preço de venda às distribuidoras. Recuperado em 25 maio, 2018, de http://www.petrobras.com.br/pt/produtos-e-servicos/composicao-de-precos-de-venda-as-distribuidoras//.

PIDD, M. (1998). Modelagem empresarial: ferramentas para tomada de decisão. Porto Alegre: Artmed.

PNLT – Plano Nacional de Logística e Transportes. (2009). Relatório Executivo PNLT. Recuperado em 15 setembro, 2017, de http://www.youblisher.com/p/248996-RELATORIO-PNLT-2009/.

PONTES, H. L. J.; CARMO, B. B. T. do; PORTO, A. J. V. (2009). Problemas logísticos na exportação brasileira da soja em grão. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, 4(2), 155-181.

RODRIGUES, W.; MAGALHÃES FILHO, L. N. L.; PEREIRA, R. dos S. (2016). Análise dos determinantes dos custos de resíduos sólidos urbanos nas capitais estaduais brasileiras. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 8(1), 130-141.

SANTOS, A. R. dos; SILVA, H. A. da. (2015). Modais de transporte rodoviário e ferroviário: comparativo de viabilidade para escoamento da carga de uma multinacional produtora de cimento e agregados. Revista Sodebras, 10(115), 91-96.

SANTOS, S. dos. (2011). Transporte ferroviário: história e técnicas. São Paulo: Cengage Learning.

SANTOS, S. T. dos. (2012). Trecho ferroviário do gargalo do Paraguaçu: um impasse sobre a eficiência energética da ferrovia Centro – Atlântica. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA, Brasil.

SELEME, R.; TEJADA, A. C.; PAULA, A. de; CASTANHEIRA, N. P.; CARDOSO, O. R. (2012, outubro). Avaliação dos modais de transporte rodoviário e ferroviário de commodities agrícolas (soja) da região oeste do Estado do Paraná ao porto de Paranaguá. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Bento Gonçalves, RS, Brasil, 32.

SILVEIRA, M. R. (2003). A importância geoeconômica das estradas de ferro no Brasil. Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, SP, Brasil.

SIMONETTO, E. de O.; PUTNIK, G.; RODRIGUES, G. O.; ALVES, C.; CASTRO, H. de. (2016). Um modelo de dinâmica de sistemas para avaliação do reaproveitamento de resíduos eletrônicos na remanufatura de computadores em uma instituição de ensino superior. Exacta, 14(3), 385-402.

SIMONETTO, E. de O.; RODRIGUES, G. O.; DALMOLIN, L. C.; MODRO, N. R. (2014). O uso da dinâmica de sistemas para avaliação de cenários da reciclagem de resíduos sólidos urbanos. Revista Geintec, 4(2), 910-924.

SOUZA, D. F. de; MARKOSKI, A. (2012). A competitividade logística do Brasil: um estudo com base na infraestrutura existente. Revista de Administração, 10(17), 135-144.

SOUZA, G. C. de; GUADAGNIN, M. R. (2009, agosto). Diagnóstico dos serviços de coleta, transporte, tratamento e disposição final de resíduos sólidos domiciliares em município de pequeno porte: estudo de caso em Cocal do Sul-SC. Anais do Seminário Regional Sul de Resíduos Sólidos, Caxias do Sul, RS, Brasil, 3.

STRAUSS, L. M. (2010). Um modelo em dinâmica de sistemas para o ensino superior. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

TROMBETA, L. R.; LEAL, A. C. (2014). Gestão dos resíduos sólidos urbanos: um olhar sobre a coleta seletiva no Município de Presidente Prudente, São Paulo, Brasil. Revista Formação, 21(1), 143-169.

VENTANA SYSTEMS. (2016). Vensim Simulation Software. Recuperado em 10 junho, 2018, de http://www.vensim.com.

VIEIRA, J. de C. (2015). Desafios da ferrovia de integração do centro-oeste no cerrado. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional, 3(2), 55-72.

WANKE, P. F. (2010). Logística e transporte de cargas no Brasil: produtividade e eficiência no século XXI. São Paulo: Atlas.

ZIONI, S.; FREITAS, S. R. de. (2015). Aspectos ambientais no Plano Nacional de Logística e Transporte do Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 35, 195-208.




DOI: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2020.v20i3.1668

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Gestão & Tecnologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.