Análise estrutural e longitudinal sobre capacidades dinâmicas em agências de publicidade e em mídias sociais

Silvia Spagnol Simi dos Santos, Sérgio Begnini, Carlos Eduardo Carvalho, Ieda Margarete Oro

Resumo


Este trabalho contribui para a compreensão sobre estudos a respeito de capacidades dinâmicas aplicadas a agências de publicidade e em mídias sociais. O objetivo é analisar a configuração dos trabalhos publicados e sistematizar os procedimentos técnicos de pesquisa utilizados, assim como enumerar e quantificar os principais autores, journals, bases de dados e ano das publicações. Como metodologia, a investigação utiliza de uma revisão sistemática de artigos publicados entre 2008 e 2017, com uso de algumas técnicas bibliométricas. No total, foram analisados 244 artigos. Esta revisão de literatura integrativa das CD acrescenta à categorização da literatura, relaciona a pesquisa de mídias sociais e agências de publicidade às CD e fornece orientações favoráveis para pesquisas futuras. O estudo aponta para a tendência de publicações qualitativas com foco em mídias sociais, consequentemente, os resultados sugerem a necessidade de mais investigações sobre esse objeto de estudo pela ascendência das mídias sociais. 


Palavras-chave


Capacidades Dinâmicas. Mídias Sociais. Agências de Publicidade. Bibliometria.

Texto completo:

PDF

Referências


Barney, J. B. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, 17(1), 99-120.

Cardoso, A. L. J., Martins, T. S., & Kato, H. T. (2015). Tendências temáticas em capacidades dinâmicas: um mapeamento do campo por meio de um estudo de co-citações. Revista de Administração e Inovação – RAI, 12(2), 38-59.

Cardoso, A. L. J., Silva, W. V., Silva, E. D., & Del Corso, J. M. (2013). Análise das publicações mais citadas do Strategic Management Journal no período de 2001 a 2010. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, 12(3) 281-312.

Castells, M. (2003). A galáxia da internet. Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Cervo, A., Brevian, P.A. (1983). A metodologia científica. São Paulo: McGraw-Hill.

Colquitt, J. A.; Zapata-Phelan, C. P. (2007). Trends in theory building and theory testing: a five-decade study of the academy of management journal. The Academy of Management Journal, 50(6), p. 1281-1303.

Creative Industries Mapping Document. (1998). Creative Industries Mapping Documents. São Paulo. Recuperado de https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/193572/Creative_Industries_Mapping_Document_Advertising.pdf.

Eisenhardt, K. M.; Martin, J. A. (2000). Dynamic Capabilities: what are they? Strategic Management Journal, 21, 1105–1121.

Gomes, E., Barnes, B. R., & Mahamood, T. (2015). A 22 year review of strategic alliance research in the leading management journals. International Business Review, 25(1), 15–27.

Grant, R. M. (1996). Toward a knowledge-based theory of the firm. Strategic Management Journal, 17, 109-122.

Hair Jr., J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise Multivariada de Dados. 6a. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hoskisson, R., Hitt, M., Wan, W., & Yiu, D. (1999). theory and research in strategic management: swings of a pendulum. Journal of Management. 25(3), 417-456.

Lam, H. K. S., Yeung, A. C. L., & Cheng, T. C. E. (2016). The impact of firms social media initatives on operational efficiency and innovativeness. Journal od Operations Management. 47-48, p. 58-43.

Meneghetti, F.K. (2011) O que é um ensaio-teórico? Revista de Administração Contemporânea. 15(2). RAC, Curitiba, pp. 320-332. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552011000200010

McCain, K. (1990). Mapping authors in intellectual space: a technical overview. Journal or the American Society for Information Science, 41(6), 433-443.

Nerur, S. P., Rasheed, A. A., & Natarajan, V. (2008). The intellectual structure of the strategic management field: an author co-citation analysis. Strategic Management Journal, 29, 319-336.

Nguyen, B., Xiaoyu, Y., Melewar, T. C., & Chen, J. (2015). Brand innovation and social media: Knowledge acquisition from social media, market orientation, and the moderating role of social media strategic capability. Industrial Marketing Management, 51, p. 11-25.

Ramos-Rodríguez, A. R., & Ruíz-Navarro, J. (2004). Changes in the intellectual structure of strategic management research: a bibliometric study of the strategic management journal, 1980-2000. Strategic Management Journal. 25, 981-1004.

Ribeiro, H. C. M. & Corrêa, R. (2018). Revista Ibero-Americana de Estratégia: produção acadêmica de 2002 a 2015. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 8(1), 210-231

Sant’anna, A., Rocha Júnior, I., & Garcia, L. F. (2009). Propaganda: teoria, técnica e prática. (8a. ed.). São Paulo: Cengage Learning.

Shafique, M. (2013). Thinking inside the box? Intellectual Structure of the knowledge base of Innovation research (1988–2008). Strategic Management Journal, 34(1), 62–93.

Storbacka, K. (2012). Strategic account management programs: alignment of design elements and management practices. Journal of Business & Industrial Marketing, 27(4), 259–274.

Teece, D., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509–534.

Zollo, M.; Winter, S. (2002). Deliberate learning and the evolution of dynamic capabilities. Organization Science, 13(3), 339–351.

The Association of Business Schools (ABS). (2015). Academic Journal Guide 2015. Londres. Recuperado de http://gsom.spbu.ru/files/abs-list-2015.pdf

Whetten, D. A. (1989). What constitutes a theoretical contribution? The Academy of Management Review, 14(4), p. 490-495.




DOI: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2020.v20i1.1610

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Gestão & Tecnologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.