Passado e presente do conceito da função gerencial: uma análise geracional com mulheres gerentes.

Ana Maria Mendes Goulart, Rebeca Silva Leal, Marlene Catarina de Oliveira Lopes Melo

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar o exercício da função gerencial na percepção de gestoras das gerações Baby Boomers, X e Y, considerando conceitos estabelecidos por Fayol (1964), Reed (1997) e Mintzberg (2010). Caracterizou-se como uma pesquisa descritiva, de campo, com abordagem qualitativa. Para a coleta de dados utilizou-se um roteiro de entrevista semiestruturado. Os sujeitos desta pesquisa foram 32 mulheres gerentes das gerações Baby Boomers, X e Y. Os dados foram tratados por meio da análise de conteúdo. O estudo aponta que cada geração vê o desenvolvimento da função gerencial distintamente, a importância dada por cada geração é descrita com divergência, embora as percepções se enquadrem na mesma base. Os conceitos apresentados por Fayol, Reed e Mintzberg, mostraram-se atemporais, aplicando-se com eficácia na contemporaneidade. Considerando-se as diferenças pré-estabelecidas entre as gerações, identificou-se que no tocante a função gerencial as características geracionais são irrelevantes.


Palavras-chave


Função Gerencial. Gerações. Passado. Presente.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, R. O. B. & Nério, A. (2010). Estratégias de gestão: processos e funções do administrador. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo. 70. ed. Lisboa.

Barnard, C. I. (1938). The functions of the executive.

Benson, J., & Brown, M. (2011). Generations at Work: are there differences and do they matter? The International Journal of Human Resource Management, v. 22, n. 9, p. 1843-1865.

Branco, V. F. C. (2013). A gestão da geração Y nas organizações. 1. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora.

Cavazotte, F. S. C. N., Lemos, A. H. C., & Viana, M. D. A. (2012). Novas gerações no mercado de trabalho: expectativas renovadas ou antigos ideais? Cadernos EBAPE. BR, v.1, p.162-180.

Cordeiro, H. T. D. (2012). Perfis de carreira da geração Y. 2012. 188f. Dissertação (Mestrado em Administração). Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade de São Paulo.

Cracco, B. (2017). The new role of the purchasing function in the management of the extended enterprise. Strategic Direction, vol. 33 nº. 2, pp. 12-14.

Custódio, J. C. D., Machado, M. C. S., Ferreira, V. C. P., & Dusi, C. S. C. O. (2013). O trabalho, os papéis e as competências do gerente: reflexões à luz do modelo de gestão de Henry Mintzberg. Anais do X Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. (2006). A disciplina e a pratica da pesquisa qualitativa. In: Denzin, N. K., & Lincoln, Y.(orgs). Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Porto Alegre: ARTMED.

Fayol, H. J. (1964). Administração industrial e geral. Editora Atlas: São Paulo.

Feixa, C., & Leccardi, C. (2010). O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Sociedade & Estado, Brasília, Vol. 25 n. 2, mai-ago.

Godoy, A. S. (2006). Estudo de caso qualitativa. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Grassi, J. A., Andrade, M. S., & Veloso, E. F. R. (2016). Gestão de Gerações em Sistemas Bancários. Revista Competitividade e Sustentabilidade, v. 3, n. 1, p. 11-27.

Hill, L. A. (1993). Becoming a manager: how new managers masters the challenges of leadership (2nd, expanded ed.). Boston: Harvard Business School Press.

Lagrosen, Y., & Travis, F. T. (2015). Exploring the connection between quality management and brain functioning. The TQM Journal, vol. 27 nº. 5, pp. 565-575.

Lancaster, L. C., & Stillman, D. (2011). O Y da questão: como a geração Y está transformando o mercado de trabalho. São Paulo: Saraiva.

Leite, I. C. B. V., Godoy, A. S., & Antonello, C. S. (2006). O aprendizado da função gerencial: os gerentes como atores e autores do seu processo de desenvolvimento. Aletheia.

Leite, L. T. T., & Paiva, K. C. M. (2009). Gestão e subjetividade: a fala dos gerentes (re)velando aspectos da função gerencial contemporânea. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 9, n. 2, p. 1-19, ago./dez.

Lima, C. S., Guerra, L. C. B., Mendonça, C. M. C., & Medeiros, J. P. (2017). Conflito de Gerações no Ifrn. Carpe Diem: Revista Cultural e Científica do UNIFACEX. v. 15, n. 1, 2017. Disponível em: Acesso em 20 Mar. 2018.

Lipkin, N., & Perrymore, A. (2010). A Geração Y no Trabalho. Elsevier Editora; São Paulo.

Mannheim, K. (1993). El Problema de Lãs Generaciones. In: REIS, 62, pp. 193-242, Madrid.

Mintzberg, H. (1973). The nature of managerial work. New York: Haper Row.

Mintzberg, H. (2010). Manging: desvendando o dia a dia da gestão. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2011). Management não é o que você pensa. Porto Alegre: Bookman.

Mishra, S. (2017). Integration of talent and mobility function: strategy for HR to manage business. Strategic Hr Review, vol. 16 nº. 6, pp. 274-278.

Morais, F. L. (2016). O desafio das lideranças: assegurar a produtividade com pessoas de diferentes gerações. RECAPE Revista de Carreiras Pessoas. Vol. 6. No. 2. São Paulo, p. 176-187.

Nunes, E. F. P. A., Carvalho, B. G., Nicoletto, S. C. S., & Cordoni, L. Junior. (2016). Trabalho gerencial em Unidades Básicas de Saúde de municípios de pequeno porte no Paraná, Brasil. Interface (Botucatu). 20(58):573-84. Disponível em: . Acesso em 18 dez. 2018.

Oliveira, L. A., Neto (2012). Competências gerenciais. FGV.

Oliveira, S. (2010). Geração Y. O Nascimento de uma nova versão de líderes. São Paulo. Intregrare. Editora.

Reed, M. (1997). Sociologia da Gestão. Celta Editora: Oeiras.

Sayles, L. R. (1989). Leadership: Managing in Real Organizations. 2ª ed., New York: McGraw-Hill.

Seabra, A. L. C, Paiva, K. C. M., & Luz, T. R. (2015). Competências gerenciais de coordenadoras de cursos de graduação em enfermagem. Rev. Bras. Enferm. vol.68 no.5 Brasília Sept./Oct. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2017.

Severo, E. A., Ceolin, C. C., de Guimarães, J. C. F., de Souza, I. R. A., & Decesaro, L. (2017). O significado do trabalho para as gerações x e y no sul do brasil. Perspectivas Contemporâneas, 12(2), 04-18.

Tridapalli, J., Silva, E., Ziede, M. K. L., & Marcolla, C. (2017). Os conflitos da geração X e Y no mercado de trabalho. Revista Húmus, v. 7, n. 20. Disponível em: < http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahumus/article/view/7849> Acesso em 12 Mar. 2018.

Veloso, E. F. R., Dutra, J. S., & Nakata, L. E. (2016). Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações y, x e baby boomers. Revista de Gestão USP, vol. 23, no. 2, p. 88+.

Vieira, M. M. F., & Zouain, D. M. (2005). Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Wiedmer, T. (2015). Generations do differ: Best practices in leading traditionalists, boomers, and generations X, Y, and Z. Delta Kappa Gamma Bulletin, 82(1), 51.




DOI: https://doi.org/10.20397/2177-6652/2018.v18i3.1433

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Gestão & Tecnologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.